Sunday, January 10, 2016

Último post do blog

Não sou blogger, nunca irei ser uma blogger.  Fico entusiasmada com a ideia de contar as minhas aventuras,  mas depois puf, deixo o blog à miséria. Sorry!

O resumo do meu ano de 2015: Voltei dos USA em março. Fiquei em Portugal até abril e depois rumei até à Holanda (em trabalho). Voltei a Portugal em dezembro.  

Este post vai ser o último deste blog e é uma conclusão do meu programa como Au
Pair nos USA. Gostaria de ter feito mais posts com as minhas viagens. Foram 2 anos tão intensos que me faltou tempo para essa dedicação. Mas acho que ficou o essencial: Dar a conhecer o programa. Não é um bicho de 7 cabeças como muita gente pensa.

Vais para os USA limpar o rabo a bébes? Vais viver na casa de outras pessoas? E se for contrabando de pessoas? e se te matarem com uma pistola? Olha que vais ficar gorda. 

Estou viva. Passei pelo divórcio dos meus "patrões" aka Host Parents. Conheci e cuidei da criança mais maravilhosa do mundo. Conheci pessoas fantásticas que levo comigo para sempre. Aprendi a falar inglês e aperfeiçoei o meu espanhol :P Conheci uma cultura que desconhecia e que muitos criticam sem antes conhecer. Viajei tanto que perdi a conta às vezes que entrei dentro de um avião. Apaixonei-me por Seattle. Ah, também trabalhei. 

Os meus últimos dias foram horríveis. Horríveis porque sabia que iam ter um final. Não tinha namorado americano para casar e ganhar um Green Card. Não troquei o meu visto para estudante ou para turista (métodos "mais fáceis"). Tinha mesmo de voltar. Hoje arrependo-me um pouco de não ter feito outras escolhas para ter prolongado a minha estadia por terras do Tio Sam. Mas talvez seja esse o meu destino.

Morro de saudades da minha Host Kid. Continuo a ver todas as noticias sobre Seattle e fico orgulhosa quando falam sobre coisas boas sobre a cidade. 

Agora é tempo de mudança. Uma nova aventura. Vou viver em Sydney - Austrália.

Vou continuar a responder a dúvidas/questões que tenham sobre o programa ou até sobre os Estados Unidos da América. O meu e-mail é: l-css@hotmail.com

Visitem-me na minha nova casa (vou tentar ser mais assídua com posts):

Laura in Sydney


E esta não é a minha melhor foto, mas foi a última que tirei com a minha Princesa. Dá para perceber que foram 2 anos muito bons, não dá?










Thursday, March 5, 2015

O que parecia um sonho....terminou em pesadelo.

Com o intercâmbio quase a terminar, eu e uma amiga ( Rachel) tínhamos pensado em fazer um cruzeiro como viagem final. Todas as viagens que fizemos nos EUA foram bem aproveitadas mas bem cansativas porque nunca parávamos para tentar aproveitar ao máximo.
Convidámos uma amiga que vive em Seattle ( Rocío) e comprámos os bilhetes para o cruzeiro e os bilhetes de avião.
O nosso roteiro era: avião Seattle-Houston. Cruzeiro: Jamaica-Ilhas Caimão-Cozumel. Avião: Houston-DC.
7 dias sem fazer nenhum. Sol, praia, margaritas.
Uma semana antes fizemos o pre check in. Pediram-nos números de passaporte, cartões de crédito.

Esta foi também a nossa última semana aqui em Seattle. Nunca pensei que tivesse tanta tralha no meu quarto. Foi horrível fazer as malas. Primeiro porque estava em negação, não queria ir embora. Segundo não tinha espaço para tudo. Resultado? 2 malas para despachar, 1 de cabine, 1 bolsa de desporto e 1 mochila. Tudo a passar os quilos permitidos.... Muitas coisas ficaram para doar ao Goodwill.

Depois de ter a pior noite... Despedidas... Ter que deixar a minha Emerson foi horrível. Despedir-me da minha Host Family... Muitas lágrimas e o meu coração partido. Como diz a minha Host Mom: Au Pairs should come with warning - heart will break when it's time to say goodbye. Mas ter que dizer adeus à Emerson foi como se me estivessem a arrancar alguma coisa...

No sábado chegámos a Houston e daí apanhámos um shuttle para o porto de Galveston. Chegámos a Galveston e levaram-nos as nossas malas (retenham este pormenor). Fomos para a fila fazer o check in e quando chegou a nossa vez... Foi nos negada a entrada no cruzeiro ( a mim e à Rachel).


Ficámos em choque. O motivo de sermos barradas? Os nossos documentos tinham caducado no mês de fevereiro.  Tentámos explicar que como Portuguesa e Espanhola podemos voltar a entrar nos EUA com um documento chamado ESTA. Mas parece que é um requerimento da empresa, todas as pessoas que vão no barco têm que ter toda a documentação em ordem. O que não me parece mal. Nós é que deveríamos estar melhor informadas.

A Rocío embarcou porque não queríamos que ela perdesse o dinheiro e ao menos aproveitasse.

Lembram-se que eles nos levaram as malas antes de fazermos o check in? Pois é, não foram devolvidas. Disseram-nos que havia tantas malas que não havia tempo para identificar quais eram as nossas. Batemos o pé, gritámos e fizemos cara de desesperadas mas de nada nos valeu.
Eu tinha a minha mala de cabine comigo (roupa de Verão e roupa interior). A Rachel não tinha nadaaaa.

As nossas host families ajudaram-nos com alojamento e com um carro alugado.

Já vos tinha dito que estávamos no Texas???!?! E que não podíamos sair daqui porque tínhamos que esperar até o barco voltar para ir buscar as nossas malas?

Tentámos dar a volta à situação: uuuuh vamos conhecer o Texas!!!! Uuuhhhh.... Uuh...u. Nope. O Texas não estava na minha wish list.

No dia seguinte à tragédia fomos ao Walmart para que a Rachel comprasse roupa interior, pijama e uma camisola. Podíamos estar a dar pulos de felicidade porque tínhamos barra livre para comprar roupa! Mas depois não tínhamos espaço nas malas. Imaginem-nos a lavar roupa no hotel e nos motéis onde ficámos....
Fizémos um roteiro para estes dias. Galveston - Houston - Austin - San Antonio - Houston - Galveston. Não há nada de interessante para ver nestes sítios... Ah e tal o Texas é a verdadeira América... Pff... Apenas em San António encontrámos um sítio interessante para ver (Riverwalk). Tentámos fazer outras coisas mas os sítios estavam fechados para manutenção... Rodeos só ao fim de semana... O maior balde de água fria da minha vida.

A companhia do cruzeiro (Carnival) nega-se a devolver o dinheiro que pagámos. (Temos os nossos advogados a tratar do assunto - as nossas host families)
Foi uma grande lição....

Wednesday, January 14, 2015

Com o programa quase a terminar... sinais que já sou Au Pair há demasiado tempo!

Passaram quase dois anos desde que aterrei nos Estados Unidos! O tempo passou a voar. Passeando no google encontrei este post que representa tão bem as Au Pairs séniores. Identifiquei-me logo com o primeiro ponto. :)

http://matadornetwork.com/abroad/13-signs-youve-au-pair-long/




13 SIGNS YOU’VE BEEN AN AU PAIR FOR TOO LONG

1. You swear you’ll never have kids.
All the tantrums, fights, unbelievable requests, and time putting children before yourself has you swearing you’ll never have kids. It also has you in awe of your own parents who raised you without the help of an au pair. How did they do it without going completely insane?
2. You’ve forgotten what it’s like to have a 9-5 job.
Routine? Nope, not as an au pair. Your wakeup time changes more regularly than Katy Perry’s hair, and you’ve morphed into the most flexible person on the planet. “Very adaptable to change” should be bolded and underlined three times on your resume.
3. You know more parents than people your age.
The sad truth of au pairing is that a large part of your social life revolves around organizing kids’ play dates. You have more phone numbers of fathers than guys your own age, and a trip to the supermarket can result in an impromptu Mothers’ Club meeting in the cereal aisle.
4. You’ve responded to “mum” or “dad.”
If your host parents are the type to spend more time at work than with their children, the whole “whoops, I called you mum” thing is bound to happen. Best thing to do is laugh it off and move on. Like, to another job.
5. You’ve seen Frozen at least 18 times and know all the words to all the songs.
Ah, Frozen, the Disney movie of the year. Admittedly it’s one of Disney’s best, but after watching it every afternoon for a month, even cute little Olaf can start to drive you bonkers.
That said, the fact that you can sit down and watch a movie while your friends back home are probably slaving away at some soul-crushing job definitely makes you feel a little smug.
6. A big night out consists of bitching about your host families with your au pair friends while seeing how far you can stretch five euros.
When moving to a new country or city to au pair, the easiest friends to make are other au pairs. Though as time goes on, your conversations tend to focus on whatever crazy request your host parents made of you, or how many beers you can get with your last bit of pay. It can get monotonous, but then again, it makes the week go faster.
7. Your handbag resembles a war zone complete with snacks, toys, makeup, at least two phones, several bottles of water, plenty of tissues, and the kitchen sink.
Mary Poppins and her bottomless bag is pretty much on point.
8. You think about what to make for dinner before you even finish breakfast.
Chances are, by the end of your au pair stint you’ll be able to pull off a nutritious dinner for five that fulfills all dietary requirements and personal tastes with absolutely no leftovers. Stepford Wives move over!
9. Your social life is predicated on whether you have to babysit or not.
Nothing like babysitting on a Saturday night to squash your party plans. Or worse, weekend mornings. After trying to babysit three young children with a roaring hangover, you’ve learned to be responsible, stay at home, and give your liver a break.
10. You secretly love taking the kids out to the movies, bowling alley, theme park, etc. because you go for free.
The best perk of being an au pair is all the cool stuff you get to do for free. Sure you’re babysitting, but waiting in line for a photo with a Disney princess isn’t as lame when you’re with a 10-year-old.
Your workday can consist of playing at the beach or going to the zoo. One girl I knew got flown from the Netherlands to America to join the family holiday. Now that’s a perk!
11. You’ve employed the “count to three” threat.
The age-old trick that was used on you as a youngster now works a charm when the kids are acting up. Much like when you were a child, your kids are tempted to see what happens after three but are too chicken to find out.
12. You refer to the children you look after as your own.
You spend the majority of your day with them, live with them, feed them, bathe them, and entertain them. You know you’ve au paired too long when you utter phrases along the lines of “My girl has this new thing of only eating carrots and cheese,” or “My kids just got the new Xbox game” without thinking it sounds weird.
13. You learned the language from your kids.
Moving to a new country with a whole new language can be daunting. Most opt for a quick language course to get them through. However, your best (and freest) teachers are the children you look after. Sure, you might not be able to ask how to open a bank account, but you can ask to leave the table and watch TV with perfect fluency. 

Sunday, November 30, 2014

Santa Monica Beach, Venice Beach e Newport Beach

Depois de sairmos de Beverly Hills fomos até à Santa Monica Beach.


Os cenários de praia são do género de Marés Vivas/Baywatch. Com a barraquinha do salva-vidas e com a típica bóia vermelha. Areia e água. Assim como as nossas praias em Portugal. Eu até acho que as nossas são mais bonitas. A água não é muito cristalina.... vi lixo na areia... Afinal ainda estávamos em LA: muita poluição. Não havia quase ninguém na praia. Fomos até ao Pier (Passeio Marítimo) onde está o famoso sinal da Route 66 que significa também que essa estrada termina ali. O Pier está cheio de restaurantes, lojas e tem também um parque de atrações








Estivemos talvez uma hora nessa praia e seguimos até Venice Beach.
A praia está em ambiente de vila, é mais acolhedor. Também tem um Pier, mas não é como o de Santa Monica. Aqui apenas se pode fazer uma caminhada até ao final. Há muitas pessoas a pescar. Estavam a filmar o filme "Ride", onde a atriz principal é a Helen Hunt. Fizemos de paparazzi e arrancámos para Newport Beach.








Super fã da série The OC (The OC - Na Terra dos Ricos) tinha como capricho parar na praia de Newport Beach onde a maioria da história se passa. A palavra OC significa Orange County, o Condado onde fica a praia. Pensava eu que as filmagens da série eram ali... já estava a imaginar os cenários... as personagens... nada disso. Foi quase tudo filmado em Santa Monica, LA... buáaa. 
Das três praias que visitámos esta foi a que mais gostei. Uma vila bonita com a praia à porta. 







Wednesday, November 19, 2014

Los Angeles

Na segunda-feira saímos do Grand Canyon quase ao anoitecer e a viagem foi longa até LA. Tivemos de parar num Motel de estrada para passar a noite. Entretanto no caminho ia matando uns quantos veados que teimavam em atravessar a estrada.
Saímos do estado de Utah e parámos no estado de Arizona. Road Motel à filme. Apenas passámos a noite e no dia a seguir rumámos a LA (California).

Fiquei desiludida com Los Angeles - Hollywood.
A primeira coisa que fizemos quando chegámos a LA foi visitar a famosa placa de Hollywood. Até chegarmos ao topo (o mais perto possível, porque não podemos ir até onde a placa está) o caminho é cheio de curvas e cheio de casas maravilhosas. Depois de milhentas fotografias, olhei para trás e vi uma nuvem poeirenta escura... era Downtown LA. Que feio. Já tinha lido que Los Angeles era uma cidade com muita poluição. Confirma-se. Ah e o trânsito é de loucos!
Depois de vermos a placa estava a conduzir na famosa rua do Passeio da Fama, onde estão todas as estrelas dos famosos e nem me tinha apercebido. A rua é suja, estreita com muito trânsito.
Ficámos hospedados num Hostel (Youth Hostel Hollywood) que fica na Hollywood Boulevard. O sitio é perfeito. Tem parque de estacionamento atrás do edifício (a pagar). O preço também é fantástico. Ahh o Hostel? Bem.... Como apenas queríamos um sítio para dormir e tomar banho... este foi suficiente. É sujo, o staff não é o mais simpático, as casas de banho deixam muito a desejar. Lembro-me que fui pedir um secador e deram-me um secador com ficha europeia... oi? Enfim foi uma situação antagónica engraçada, ficar no passeio da fama mas a dormir numa espelunca. Mas o que importa foi o que visitámos.

Passeámos no passeio da fama. A rua tem estrelas nas duas direções. Andámos à procura das que mais gostamos. Entrámos nas lojas de souvenirs. Tirámos fotos no Teatro Chinês (Cerimónia dos Oscars). Encontrei o Johnny Depp, tirámos umas fotografias e ele ainda me disse que quer visitar Portugal (cof cof). Também comprámos os bilhetes para os Estúdios da Universal (ao lado do teatro chinês). À noite fomos sair, mas não havia muitas opções. Fomos a um bar onde estavam a filmar algo do género como o Jersey Shore. Ficámos aí um tempo a cortar na casaca dos concorrentes e depois entrámos no bar para ficarmos hidratados (margarita-coronita é uma delícia!).

Na quarta-feira bem cedo fui levar 3 dos nossos companheiros de viagem a Anaheim porque eles queriam ir à Disney (mais ou menos 1 hora de viagem). Quando voltámos, fomos apanhar o autocarro que nos deixava nos Estúdios.

The Universal Studios são impressionantes: as atrações; os tours que nos fizeram pelos estúdios onde rodam filmes, anúncios, séries; as atuações que fazem no meio dos visitantes. Uau, Amaziiing!
Nessa noite chegámos rebentadas ao Hostel e ainda tive que voltar a Anaheim-Disney para ir buscar os outros... mas ainda assim fomos sair. Aproveitar até ao último minuto.
No dia a seguir fizemos um "Tour" por Beverly Hills. Tentámos seguir uma carrinha que estava a fazer um Tour de verdade, mas depois acabámos por perder-la. As casas dos famosos estão quase todas protegidas por portões bem altos e não dá para ver quase nada....
Bye Bye LA!












Sunday, November 16, 2014

Grand Canyon



Na segunda-feira bem cedo partimos até ao Grand Canyon. Alugámos uma carrinha de 7 lugares. Aconselho e recomendo alugueres de viaturas na Fox Rent a Car. Como não tenho cartão de crédito esta é a única companhia onde me deixam alugar, além de ser mais barata que as outras.
Foi um trajeto longo até chegarmos ao buraco mais profundo e mais extenso que existe à face da Terra.

O Grand Canyon fica no estado de Arizona. Está dividido por várias zonas. A que está mais perto de Las Vegas (5 horas a conduzir) é o "North Rim". Estivemos à volta de 3 horas a admirar as vistas.  
Impressionante! As fotografias não mostram a dimensão, a profundidade e também a paz de espírito que este sítio transmite. 
Gostaria de explorar todo o Parque, mas é tão extenso que precisaríamos de mais uns dias... soube a pouco. 
Já quase pelo atardecer voltámos ao volante até Los Angeles.  










Las Vegas

No meu primeiro ano de Au Pair tirei a minha primeira semana de férias em agosto (2013).
Tinha 3 amigas para fazer a viagem e consegui arranjar mais 3 Au Pairs através do facebook para fazerem a viagem connosco. 7! 6 raparigas e 1 rapaz.

Saímos num sabado bem cedo e aterrámos em Las Vegas!

Ficámos hospedadas no Hotel Stratosphere: http://www.stratospherehotel.com/
Escolhi o hotel pelo preço e pelas fotos... uma torre... um parque de atrações no último piso... má escolha. Este hotel é o último da Strip. Andámos que nos fartámos.
Las Vegas é basicamente uma rua : The Strip e também Jogo, Festa, Noite, Luxúria Dinheiiiiiiro.

No sábado fizemos o recorrido dos hotéis. Um mais maravilhoso que o outro. Cada um tem uma característica própria: A Torre Eiffel, uma Pirâmide Egípcia, um Castelo Encantado, Veneza, Nova Iorque, etc.
É comum haver muitos promotores para discotecas, festas, clubes de strip. As pessoas jogam nas máquinas 24h por dia. Eu borrega como sou, joguei uns doláres sem perceber naaada. Ganhei uns cêntimos!
Na noite de sábado alugámos uma Limousine. Chiqueeees! Até dói lembrar o preço que pagámos por ela... éramos 5 e pagámos por 3 horas mais de $60 por pessoa... e o senhor (ranhoso) prometeu-nos parar num x de atrações e afinal não o fizemos porque já não havia horário para o fazer... tivemos direito a champanhe mas podíamos levar as bebidas que queríamos. Quando lhe perguntámos a que discoteca íamos ele fez-se de despercebido mas lá nos conseguiu meter  na discoteca de um Hotel que não me lembro do nome. Ficámos lá até às 4 h da matina. Boa música, boa gente e boa bebida!
Quando voltámos para casa é que pensámos na lonjura do nosso hotel... a meio do caminho chamámos um taxi.
No domingo, com alguma dificuldade, fizemos praticamente a mesma coisa (menos sair de festa). Visitei a exposição do Titanic que estava a decorrer no hotel Luxor. Espetacular! Sou superfã do filme e de todas as curiosidades à volta deste. Poder ver objectos e partes do navio ao vivo foi emocionante.

Como sou uma Au Poor não posso fazer tudo o que há pra fazer nesta cidade: shows, exposições, concertos... Mas acho que aproveitámos bastante. Palmeámos bastante a Strip. Visitámos quase todos os hotéis.
Coisas que se podem fazer nesta cidade: casar-se (milhentas capelinhas); vir a congressos; despedidas de solteiro; tudo o que se possa imaginar.

O que acontece em Las Vegas... fica em Las Vegas! Há coisas que não se podem contar. :)

E assim se passaram 2 dias em Vegas.